Poder Monetária

O Bitcoin nasceu após a crise do subprime de 2008, foi a resposta genial de Satoshi Nakamoto, como alternativa ao actual sistema económico, altamente corrompido e ganancioso.

O actual sistema está a destruir/implodir as sociedades/países, através da expansão monetária, um nome pomposo, popularmente conhecido como impressão de dinheiro, que está completamente descontrolada.

Só existe uma solução, o poder monetário, não pode estar nas mãos dos políticos, até vou mais longe, não pode estar na mão dos humanos, ou seja, tem que estar em algo que os humanos não podem criar/controlar.

O fim do acordo de Bretton Woods(1971), provocou uma maior desigualdade, os ricos estão cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres.

Com o fim do lastro do dinheiro, os políticos através dos seus respectivos bancos centrais, têm o poder de imprimir dinheiro infinitamente e como consequência gerando inflação.

Além de criar inflação, tornou o dinheiro muito barato (especialmente nos últimos anos), criou uma sociedade que vive de crédito, dando a ilusão de um elevado poder de compra que não existe, um puro engano. 

O que aconteceu nos últimos anos, foi vergonhoso, juros baixos, chegando ao cúmulo de serem negativos. Nós depositamos as nossas poupanças, ainda temos que pagar ao banco e o banco usa esse dinheiro para emprestar a outros, criando ainda mais dinheiro (reservas fracionárias).

Eu não sou contra o pagamento de uma comissão pelos depósitos, pelo contrário, há muito anos que eu defendo que nos depósitos a prazo, devemos pagar ao banco, mas 100% desse dinheiro tem que estar guardado num cofre, não poderá ser utilizado pelo banco. Terminando com as reservas fracionárias, um nome pomposo para a impressão de dinheiro feita pelos bancos comerciais, não bastava os bancos centrais, agora os bancos comerciais também o fazem.

O juro extremamente barato dá um sinal à sociedade que não vale a pena poupar, criando uma sociedade de consumo, que vive para trabalhar para pagar dívidas. Que contrai créditos para pagar outros créditos.

Consequência

Voltando à impressão de dinheiro…

Em 2008, quem tinha mil milhões de dólares, equivalia a 0.1136% da base monetária.

AnoBase Monetária
2008880MM0.1136%
20091900MM0.0526%
20154500MM0.0222%
20228900MM0.0123%

Passados 14 anos, a mesma quantidade de dinheiro perdeu 90% do poder de compra, ou seja, a base monetária aumentou 10x, passou de 880MM para 8900MM.

Com isto os governos estão a destruir as poupanças das famílias, em especial das classes médias e baixas. A inflação e o efeito Cantillon, cria desigualdades sociais tremendas e misérias nos mais pobres.

Agora vamos ver o caso do Bitcoin, foi criado apenas em 2009, nesse mesmo ano quem tinha 1 milhão de bitcoin, o que equivalia a 4.7619% da base monetária. 

AnoBase Monetária
2008não existia
200921M4.7619%
201521M4.7619%
202221M4.7619%

Em 2022, os mesmos bitcoins são 4.7619% da base monetária, ainda dizem que o bitcoin é volátil, mais estável que isto é impossível.

O problema da expansão monetária não é só do dólar, são de quase todas as moedas.

Dados de 2008 a 2022.

Dólar894%
Euro556%
Libra Esterlina1028%
Iene541%
Franco Suíço765%
Yuan120%

O Dólar e seu efeito perverso

O Dólar é um caso especial, como é a moeda de referência no comércio mundial, a inflação não é só nos EUA, é global. 

Os restantes países sofrem de uma espécie de dupla inflação, a do dólar e ainda soma a inflação da sua própria moeda. 

Com isto, o dólar fica muito “forte” em relação às outras moedas, tornando todas as importações caríssimas. 

Só no último ano, a valorização do dólar foi tremenda, destruindo as economias de todo o mundo. Até o euro, que é  considerada uma moeda forte, está este ano a cair 16%.

Euro16%
Peso Argentino39%
Rupia (Sri Lanka)80%
Lira Turca106%

O Sri Lanka já colapsou, a Argentina já pediu novamente ajuda ao FMI, quantos países  mais vão colapsar … é imprevisível.

E se muito mais países caírem, será que o FMI, tem dinheiro para “salvar” todos.

Depois ainda temos o caso da Itália que está presa por arames, é a terceiro maior economia da zona euro, e a segunda com maior dívida. Se cair será uma enorme problema para EU e para o euro. Será que o euro resiste… é muitos ses.

Polarização

(Não vou falar em específico da Guerra da Ucrânia, mas sim, das consequências económicas e políticas a nível mundial)

Os Políticos/Governadores estão a “usar” a guerra como desculpa, como a única responsável pela alta inflação, mas basta ver os gráficos, a inflação já estava alta antes da guerra , mas é claro que ajudou a agravar. 

A principal consequência da Guerra da Ucrânia no mundo a curto prazo é a crise alimentar que poderá provocar a nível mundial, destruído ainda mais as economias dos países mais pobres.

A consequência a médio/longo prazo é a polarização do mundo, a nova Guerra Fria.

Os primeiros sinais começaram com a Guerra da Ucrânia, agora com a tensão em Tawain, o mundo está-se a dividir cada vez mais em dois blocos políticos/sociais/económicos.

Se de um lado, o ocidente, com o EUA, a Europa, Coreia do Sul, Taiwan, ou seja, as democracias.

Do outro lado, o leste com a China, Rússia, Coreia do Sul, a maioria deles com democracias musculadas ou mesmo ditaduras. Mas nos últimas décadas a China ganhou um poder de influência enorme nos países africanos e sul-americanos. Possivelmente, esses países vão apoiar o bloco do leste.

Ainda está longe de acontecer, mas parece que estamos a caminhar para isso, esperemos que não aconteça. 

Como esta polarização do mundo, poderá ser dramática para o dólar. Poderá deixar de ser a única moeda referência no comércio mundial, passando a existir duas moedas referência, o Dólar e o Yuan, uma moeda para cada bloco.

Nesta confusão de moedas de pagamentos internacionais poderá surgir o bitcoin como meio de pagamento neutro, especialmente utilizado por países neutros. 

É pouco provável que isto aconteça, apesar de já dois países terem como legal tender, o bitcoin terá um crescimento orgânico, de baixo para cima. Começa a ser utilizado por pessoas mais pobres e nos países com moedas “fracas” como proteção contra as constantes e altas inflações.

Eu espero que o crescimento aconteça no povo e não pelos governos. A utilização de legal tender dos governos é um pau de dois bicos, é verdade que acelera a adoção, mas como são políticos, a toda a hora mudam de opinião, os governos mudam, etc. Eu preferia que o bitcoin apenas circulasse pelos cidadãos, como uma liberdade de escolha.

Como a existência em simultâneo da moeda FIAT e o bitcoin, as pessoas começam a gastar em primeiro, a pior moeda e guardam o bitcoin, a lei de Gresham.

Depois de uma forte penetração no mercado da bitcoin, o povo não quer a FIAT, os governos não têm outra solução que tornar o bitcoin como legal tender, mas se isto acontecer um dia, possivelmente eu já não estarei aqui para ver.

Como está a acontecer agora, o forte crescimento do bitcoin está a acontecer na Argentina, Turquia, Nigéria, Líbanos e outros, ou seja, países com uma inflação superior à volatilidade do bitcoin(bear market). Com a crescente adoção, o bitcoin ficará cada vez menos volátil… e ao ficar menos volátil vai atrair novos utilizadores, de países com menor inflação e assim sucessivamente.

Será um ciclo vicioso, imparável.

Novo Padrão

É notória que temos que alterar o actual sistema financeiro, este sistema está com os dias contados, está à beira da implosão.

Possivelmente ainda é cedo para o bitcoin, então voltemos ao padrão-ouro, o atual sistema é incomportável, está a destruir as sociedades.
A alteração do padrão é inevitável, ou fazemos a bem ou a mal. Mais vale fazer com calma e bem planeada, ou estão, abrupta e destrutiva. É completamente inevitável…